Medicina e Segurança do Trabalho

Fácil e Descomplicada

4 exemplos de passivo trabalhista que você precisa conhecer

Uma boa gestão de itens do passivo trabalhista garante melhor controle financeiro e atenua os riscos de multas por fiscalização.Falando em finanças, não é só com a margem de lucro que uma empresa precisa se preocupar.

Passivo trabalhista pode ser dividido em duas partes: o normal que envolve os salários, férias e todas as obrigações para com os empregados; e as reclamações trabalhistas. Sendo assim, quando se tem consciência de que tudo foi feito corretamente, não há motivos para temer.

Por outro lado, uma má gestão pode trazer problemas com o passar do tempo. Á medida que a empresa cresce, vai ficando mais difícil organizar tudo, daí a importância de gerir corretamente desde o começo.

Pensando nisso, para ajudar a melhorar a sua gestão do passivo trabalhista, listamos abaixo 4 exemplos de itens que se enquadram nessa categoria. Continue a leitura e confira.

1. Horas extras

Muitas vezes, o funcionário tem horário para entrar na empresa e não o tem para sair. Embora o expediente se encerre, teoricamente, às 18h, ele dificilmente consegue deixar o local antes das 20h, já que há sempre muito trabalho a fazer.

O empregador sequer cogita a possibilidade de pagar horas extras, já que ele fica até mais tarde “porque quer”. Além disso, parece tão motivado que não faria questão de receber pelas horas que trabalha além do expediente.

Entretanto, isso pode ser uma grande armadilha, já que, quando o funcionário sai da empresa, poderá mover uma ação trabalhista pelas horas não pagas. O melhor a se fazer seria evitar esta situação, não é mesmo?

Portanto, tenha um controle rígido sobre as horas que os seus funcionários passam na empresa, verifique se são mesmo necessárias e, caso conclua que sim, pague por elas.

2. Premiações

Não caia na tentação de “pagar um extra” para o seu funcionário informalmente, já que a lei não o obriga a isso. É importante que as premiações, bonificações e tudo o mais que for pago ao funcionário, sempre conste em documento.

Caso contrário, a ação pode ser entendida como sonegação de impostos e você ficará sujeito às penas devidas a tal infração. É claro que os prêmios funcionam como uma importante ferramenta motivacional, mas devem ser pagos formalmente.

3. Processos trabalhistas

É importante buscar informações no que diz respeito ao assunto. Você precisa estar preparado para um possível processo trabalhista ainda que acredite que já toma as devidas precauções para que não haja motivos para isso acontecer.

Se for o caso, contrate uma assessoria que poderá ajudá-lo a gerir os processos já existentes e tomar medidas que evitem que outros ocorram.

E lembre-se de que qualquer lacuna pode ser o caminho para ações de ex-funcionários.

4. Benefícios de acordos coletivos

Os acordos coletivos estabelecidos por sindicatos e entidades da classe visam firmar alguns compromissos por parte da empresa para com os trabalhadores. E eles precisam ser concedidos.

Não cumprí-los pode implicar em uma espécie de insegurança jurídica para a sua empresa. Por essa razão, eles devem ser bem observados para que não haja motivos para o funcionário recorra ao sindicato, ou mesmo a órgãos que prezam pelos direitos trabalhistas, para ajudá-lo.

Entendeu a importância de uma boa gestão do passivo trabalhista? Se você gostou do post, leia também este artigo sobre como preparar-se para a fiscalização do Ministério do Trabalho.

Deixe seu comentário