FAÇA SEU EXAME MÉDICO

               Tel: (31) 3271-9979

Motoristas profissionais necessitam de proteçao para COVID-19 ?

Quase todo o mundo está lutando, enquanto está em quarentena, com perguntas sobre como reiniciar suas vidas e meios de subsistência, protegendo-se de serem infectados pelo novo coronavírus. Considerados como atividade essencial motoristas profissionais necessitam de proteçao para COVID-19 ?

Existem algumas alternativas que ainda merecem estudos.

O uso obrigatório de máscaras em veículos de transporte por aplicativo e táxis pode até reduzir as chances, mas não elimina o risco de contágio do coronavírus. Em comparação com o transporte público, que é o cenário ideal para a disseminação de doenças respiratórias, como o COVID-19, os táxis e os carros de passeio são relativamente seguros durante uma epidemia. Mas, como os veículos ainda são espaços fechados muitos passageiros estão preocupados.

Na intenção de reduzir o risco de contágio pelo coronavírus motoristas profissionais, de aplicativo e taxistas têm improvisado uma espécie de “bolha”, utilizando plástico transparente, preso com fitas adesivas, para se isolarem dos passageiros e conseguirem alguma proteção contra o COVID-19.

Em Pequim e outras localidades da China, condutores de táxi aparecem em postagens na internet utilizando a barreira plástica. Em Nova York, nos Estados Unidos, um passageiro de aplicativo compartilhou fotos e vídeo de condutor também envolto pela proteção improvisada.

Alternativa nacional

Existe no Brasil um produto feito pela empresa Artcryl com policarbonato de 3 mm de espessura e tem formato de “L” para proteger o banco do condutor. Um projeto desenvolvido em conjunto com uma Cooperativa de Rádio Taxi, mas ainda em fase de homologação pelo Inmetro, mas as cooperativas de táxis estão se unindo para agilizar a liberação do uso do material.

Tambem no Brasil que taxistas e motoristas de aplicativo buscam alternativas para se proteger do coronavírus. Vários improvisam uma proteção com filme plástico.

Estes dispositivos podem até proporcionar alguma proteção inicial, mas não elimina o risco e ainda cria outras possibilidades de contágio.

Podem até contaminar mais do que prevenir pois o problema está no posterior manuseio do material plástico. Em teoria reduzem o risco como barreira física, mas podem contaminar com gotículas contendo o vírus e condutor pode tocar as mãos em uma área contaminada e ser infectado.

Como qualquer equipamento de proteção individual ou coletiva tem que ser corretamente higienizado.

Existe a necessidade de realizar a limpeza adequada desta proteção plástica para evitar contaminações e como qualquer outro equipamento de proteção deve ter um treino para o uso e a higienização. Até a máscara facial, se não for adequadamente usada, vai levar a manipulações excessivas. Isso acaba contaminando a mão e posteriormente a boca, o nariz e as vias respiratórias

É muito difícil ter um protocolo padrão para todos os tipos de proteção ressaltando a dificuldade de higienizar material plástico maleável na comparação com uma placa de acrílico pode proporcionar melhor higienização, porem ainda deve ter cuidado no manuzeio porque tambem é fonte de contaminação.

De toda maneira, certo é seguir a recomendação das autoridades de saúde de nunca colocar as mãos na boca e no nariz e higienizá-las constantemente com água e sabão, álcool 70% ou álcool em gel com igual concentração.

Os aplicativos de transporte emitiram um conjunto básico de políticas para reduzir o risco de transmissão do COVID-19, como ordenar que os motoristas usem máscaras, controlando suas temperaturas e oferecendo serviços gratuitos de higienização.

Medidas também devem ser observadas quanto ao ar condicionado com:

Renovação do Ar – ação que garante a ventilação e circulação do ar, além da diluição do ar no interior do ambiente, desta forma não permitindo a concentração de poluentes, fator que provoca agravos à saúde dos ocupantes;

Filtragem – ação que tem por objetivo reter partículas e micro gotículas, que podem carregar poluentes ou microrganismos como o COVID-19;

Controle de temperatura e umidade – fatores de necessidade física que contribuem com a saúde das pessoas, assim como, também podem inibir a proliferação de determinados organismos como o COVID 19;

A verificação de todos os sistemas de renovação e tomada de ar externo, de maneira que estejam limpas, operacionais, com vazões adequadas, filtros de ar em boas condições, ventiladores limpos, e em bom estado.

Recomendações para segurança dos passageiros e dos motoristas:

  • Manter preferencialmente as janelas abertas para facilitar a circulação do ar e utilizar o ar condicionado só em situações em que a janela não pode ser aberta.
  • Higienizar as partes internas do veículo com álcool 70%, onde os passageiros colocam as mãos, como maçanetas, acionadores de aberturas e fechamento de janela, cintos de segurança;
  • Disponibilizar álcool gel 70% para os passageiros;
  • O pagamento deve ser preferencialmente com cartões evitando a manipulação de dinheiro em espécie.
  • Usar se possivel luvas descartáveis e trocá-las sempre .
  • Lavar sempre as mãos com agua e sabão ou utilizar álcool gel, quando não for possível.
  • Quando tossir e espirrar: sempre cobrir a boca e nariz  com o braço nunca com as mãos, Lenços descartáveis devem ser oferecidos ao passageiro se necessário.
José Cláudio Rangel Tavares

José Cláudio Rangel Tavares

Médico graduado em 1992, fez residencia em Clínica Médica até 1994. Especialista em Medicina do Trabalho e Medicina de Trafego e atua como perito em causas trabalhistas. Fundou em 2008 uma Consultoria em Saúde Ocupacional onde trabalha como Médico do Trabalho Coordenador em empresas de vários segmentos (indústria, mineração, sondagem, eletrificação e terceirização de serviços). Trabalha na gestão e Serviços em Saúde e Segurança do Trabalho usando Tecnologia para atender as demandas do setor.

Deixe seu comentário

EBOOK – QUAIS DOCUMENTOS A EMPRESA DEVE POSSUIR E COMO AGIR EM UMA FISCALIZAÇÃO.

Cadastre-se para receber o "Guia Essencial de EPIs" no seu e-mail.